JUDITH LAUAND

Judith Lauand é uma artista plástica brasileira, nascida em Pontal, no ano de 1922.

“Sua obra recente revela a densidade da composição, o apuramento do cromatismo, o equilíbrio do grafismo, conseguidos por constante pesquisa.” – Mario Schenberg.

judith

Iniciou na academia de Belas Artes, de Araraquara, em meados de 1940 com influência expressionista, pintando especialmente figuras e natureza morta. Judith se forma em 1950 e depois de algum tempo passa a dedicar-se a arte abstrata.

1952

Se muda para São Paulo em 1952 onde começa a estudar gravura com Livio Abramo, importante gravador, ilustrador e desenhista, premiado como o melhor gravador nacional na 2ª Bienal Internacional de São Paulo.

Entra em contato com a arte concreta em 1954, incentivada por Alexandre Wollner e Geraldo de Barros. Nesse momento, todos os seus trabalhos exibem um rigor matemático e racional.

035

Foi convidada por Waldemar Cordeiro a participar do Grupo Ruptura, em 1925 – sendo até o fim do grupo (1959), a única mulher integrante.

Em 1956 é convidada para integrar a exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM – SP) que marca o surgimento da poesia concreta no Brasil e em 1957, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM – RJ).

Judith-Lauand-50x50-2

É premiada com o Prêmio Leirner de Arte Contemporânea em 1958. Participa da mostra Konkrete Kunst, em 1960, em Zurique.

Foi fundadora da Galeria NT – Novas Tendências, tendo como sócios os artistas Hermelindo Fiamenghi e Luiz Sacilotto, em 1963, que teve suas obras expostas na inauguração.

SAO PAULO CADERNO 2 Telas da pintora Judith Lauand, representada no Brasil pela Galeria Berenice Arvani, que está sendo homenageada com uma exposição na Driscoll de Nova York FOTO DIVULGACAO

Na década de 1960 a artista passa por experimentações com materiais incomuns, pouco usados em artes visuais como alfinetes, tachinhas, dobradiças, que aplicados sobre a superfície bidimensional, apresentam ritmos e ilusões óticas controladas.

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

_MG_9768



Os comentários estão desativados.

JUDITH LAUAND

Judith Lauand é uma artista plástica brasileira, nascida em Pontal, no ano de 1922.

“Sua obra recente revela a densidade da composição, o apuramento do cromatismo, o equilíbrio do grafismo, conseguidos por constante pesquisa.” – Mario Schenberg.

judith

Iniciou na academia de Belas Artes, de Araraquara, em meados de 1940 com influência expressionista, pintando especialmente figuras e natureza morta. Judith se forma em 1950 e depois de algum tempo passa a dedicar-se a arte abstrata.

1952

Se muda para São Paulo em 1952 onde começa a estudar gravura com Livio Abramo, importante gravador, ilustrador e desenhista, premiado como o melhor gravador nacional na 2ª Bienal Internacional de São Paulo.

Entra em contato com a arte concreta em 1954, incentivada por Alexandre Wollner e Geraldo de Barros. Nesse momento, todos os seus trabalhos exibem um rigor matemático e racional.

035

Foi convidada por Waldemar Cordeiro a participar do Grupo Ruptura, em 1925 – sendo até o fim do grupo (1959), a única mulher integrante.

Em 1956 é convidada para integrar a exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM – SP) que marca o surgimento da poesia concreta no Brasil e em 1957, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM – RJ).

Judith-Lauand-50x50-2

É premiada com o Prêmio Leirner de Arte Contemporânea em 1958. Participa da mostra Konkrete Kunst, em 1960, em Zurique.

Foi fundadora da Galeria NT – Novas Tendências, tendo como sócios os artistas Hermelindo Fiamenghi e Luiz Sacilotto, em 1963, que teve suas obras expostas na inauguração.

SAO PAULO CADERNO 2 Telas da pintora Judith Lauand, representada no Brasil pela Galeria Berenice Arvani, que está sendo homenageada com uma exposição na Driscoll de Nova York FOTO DIVULGACAO

Na década de 1960 a artista passa por experimentações com materiais incomuns, pouco usados em artes visuais como alfinetes, tachinhas, dobradiças, que aplicados sobre a superfície bidimensional, apresentam ritmos e ilusões óticas controladas.

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

JudithLauandAgruparDeElementos_detalhe

_MG_9768



Os comentários estão desativados.