LEÓN FERRARI

A produção de León Ferrari abrange campos diversos, como o tridimensional, o desenho, a escrita, a colagem, a instalação e o vídeo. Sua obra é marcada por um processo intenso de experimentação.

Iniciou seu trabalho como escultor na Itália, onde residiu por três anos. Em 1960, começou a fazer esculturas de arame e aço inoxidável e, dois anos depois, produziu desenhos caligráficos e colagens. Em 1965, engajou-se no movimento cultural e político do Instituto di Tella de Buenos Aires, e abandonou a produção abstrata.

Na década de 1970 e no começo da seguinte, viveu em São Paulo. Retomou a escultura e o desenho abstrato e passou a interessar-se por novos meios expressivos. Além da litografia, iniciou trabalhos com videotexto, microfichas, arte postal e livro de artista. Desenvolveu também esculturas sonoras em barras metálicas.

Considerado o maior artista plástico da Argentina, Ferrari foi um crítico ferrenho da Igreja Católica e da ditadura militar na Argentina, o que é evidente em grande parte da sua produção. Faleceu em Buenos Aires, sua cidade-natal, aos 92 anos.



Os comentários estão desativados.

LEÓN FERRARI

A produção de León Ferrari abrange campos diversos, como o tridimensional, o desenho, a escrita, a colagem, a instalação e o vídeo. Sua obra é marcada por um processo intenso de experimentação.

Iniciou seu trabalho como escultor na Itália, onde residiu por três anos. Em 1960, começou a fazer esculturas de arame e aço inoxidável e, dois anos depois, produziu desenhos caligráficos e colagens. Em 1965, engajou-se no movimento cultural e político do Instituto di Tella de Buenos Aires, e abandonou a produção abstrata.

Na década de 1970 e no começo da seguinte, viveu em São Paulo. Retomou a escultura e o desenho abstrato e passou a interessar-se por novos meios expressivos. Além da litografia, iniciou trabalhos com videotexto, microfichas, arte postal e livro de artista. Desenvolveu também esculturas sonoras em barras metálicas.

Considerado o maior artista plástico da Argentina, Ferrari foi um crítico ferrenho da Igreja Católica e da ditadura militar na Argentina, o que é evidente em grande parte da sua produção. Faleceu em Buenos Aires, sua cidade-natal, aos 92 anos.



Os comentários estão desativados.