Kerry James Marshall & Frank Ocean

Sem aviso prévio, o cantor de R&B Frank Ocean lançou seu mais novo single, “Lens”, no final da noite de sábado. Com ele veio uma imagem de capa que mostra o rosto de um homem negro, cuja única característica visível é um sorriso branco. E para muitos visitantes de museu, a imagem parece familiar.

Ocean, que cultivou uma aura de mistério desde o início de sua carreira musical no início de 2010, é muitas vezes oblíquo sobre as inspirações por trás de sua música. Mas sem dúvidas, a capa de “Lens” presta uma emocionante homenagem ao pintor Kerry James Marshall.

Desde a década de 1980, Marshall tem combatido a frequente ausência de homens e mulheres negros no cânone de arte ocidental, tornando-os o assunto de suas pinturas poderosas e monumentais. No entanto, embora seu trabalho já tenha sido mostrado em número de exposições de galeria e museu, foi somente em 2016 que o pintor de Chicago recebeu a retrospectiva que ele merecia há muito tempo. A exposição passou pelo MCA Chicago, Met Breuer em New York e MOCA, Los Angeles.

A obra é intitulada “A Portrait of the Artist as a Shadow of His Former Self”, e nele, o busto de um homem de pele negra senta-se contra um contexto de mesma matiz. Sua figura – com exceção de seus olhos e sorrisos brancos – torna-se quase indistinguível dos seus arredores.

Marshall pintou o autorretrato em 1980, quando tinha apenas 25 anos, no início de sua carreira, em um mundo da arte que tinha ignorado as contribuições de artistas negros e outras minorias, durante séculos. A obra causa um desconforto e lembra os estereótipos racistas que há muito tempo pairaram sobre a cultura popular. Mas também audaciosamente expressa a própria experiência de Marshall como um negro “invisível” e seu desejo de ser visto e ouvido.



Os comentários estão desativados.